segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Ou não!

A pressão de escrever; me pegou! Foi difícil voltar a escrever. Voltei. Na tentativa de conseguir me inspirar e escrever. O pior que não é falta de inspiração, pois dela tenho muito. Desta vez foi diferente. Fui pego por outra bad. (Do inglês essa palavra entrou no circuito das gírias, para designar quaisquer adjetivos seguintes: mau/má, ruim, malvado, desagradável, desfavorável, inoportuno, prejudicial, inferior, severo, deficiente, dolorido). Dando maior ênfase para inoportuno.
O que me pegou foi a falta de ideias para escrever!

O que era fato virou notícia!
Inspiração era vivencia
O que era vivencia virou solidariedade
Solidariedade virou amor ao próximo
Próximo era Outro
Outro era Eu!

Viram!
Até poesia está saindo.
Pensei que era um herege por não saber apreciar, ou até mesmo, gostar!
Wood Allen virou referencia no meu vocabulário, junto com Tarantino e Almodóvar, onde sempre estiveram.
Signo virou referencia interna.
Interno virou público, no twitter (@pensavulso). Sabia que não deveria ter entrado, mas entrei.
Ideologia abaixo!
Mesmo preferindo chamar de ressignificação simbólica ou minimamente elaboração. O segredo é elaborar e não abstrair, mesmo que abstrair seja convidativo.
Até formspring.me eu já tenho (formspring.me/pensavulso). Realmente estou me informatizando ou informando, ainda não sei quem nasceu primeiro.
Músicas novas entraram na minha playlist e todas foram para a pasta de músicas Avulsas.
Músicas soltas, mas todas presas aos mesmos sentidos.
As velhas se repetem!
Cantei e cantaram para mim.
Fui cantado!
Dancei e encontrei gente que dançava mais do que eu.
Reaprendi a dançar a dois!
Ensinaram-me a fechar os olhos e esquecer o que tinha em volta.
Esqueci ou não lembrei!
Quando lembrava as referencias que estavam próximas pediam para esquecer. Elas também esqueceram.
Abraçamos-nos, beijamos, dormimos juntos, acordamos abraçados, agarrados e desde lá não nos desgrudamos. Às vezes acordei sozinho e outras com o meu cachorro roncando.
Ziggy é cachorro quando lhe convém. Sedutor, conquistou quem deveria conquistar e deixou saudades para aqueles que duvidaram se aproximar dele.
Seduzi também. Fui seduzido. Talvez mais, talvez menos ou na mesma proporção.
Fui presenteado. Sem e com motivos. Os mais belos copos, o mais desejado livro, a mais vermelha camisa. Um perfume! Ainda não ganhei o tal chocolate prometido, mas ganhei chocolate e bolinhas de amendoim cobertas de chocolate.
Li.
Não reli!
Perdi toda a referencia de certo e errado e lancei para as latitudes e longitudes do bem, mal, bom e mau.
Não nos tirem isso!
Descobri que não havia mais tempo e protestei quando havia.
Presenciei momentos únicos com meus pais. Conversei deitado com a minha mãe. Dividimos o mesmo quarto, não a mesma cama! Brigamos pela organização do território.
Simbolizei os presentes.
Joguei e viciei no Counter Strike. Descobri que matava mais e melhor quando era policial.
Revi que idade não é nada.
Sede é tudo!
Bebi vodka com chá verde. Experimentei chá branco.
Tirei férias da meliancia, mas descobri que eramos marinheiros (cada um buscando o seu porto)!
Reunimos a família e fiz parte de outras.
Adorei ser um ligador!
Segredos foram revelados e embates abertos.
Todos os fantasmas voltaram, no mesmo dia. Tirei de letra ou a virei.
Falei, falei, falei, falei. Me calaram, me calei.
Escrevi no livro de visitas.
Dirigi com fones de ouvidos e descobri porque isso é ilegal.
Não bati. Quase!
Twittei e descobri que a minha aliada contra o Twitter havia me traído.
Aproximaram-me do Marcelo D2 e do Seu Jorge na tal da linha das 7 gerações.
Nunca conversei com eles, mas fui em shows.
Não fui a shows, mas badalei na balada.
Jurei que era rico.
Sai solteiro e voltei casado.
Já tínhamos filhos e eu não gostava da menor.
Descobri que o bambuzal existe e chorei de emoção por conta disto (e por conta da vodka com chá verde)
Vi dois cowboys e eles também me viram.
Beijei sem saber o nome e isto me custou uma noite.
Fui fotografado!
Conheci o stand down e cai na bad!
Conheci o stand soft e sai recalcado, só lembro que ri por identificação.
Passaram-me a dança.
Troquei mensagens
Li um livro sobre prostituição. Descobri que a menina que não leu, concluiu o mesmo que a doutora/autora do livro: O que é ser puta?
Perdi uma formatura e ganhei um casamento, uma formatura e um aniversário. Perdi outra formatura por conta disto. Ambas de psicologia.
Perdi uma monitoria, mas ganhei dois afilhados.
Perdi um emprego, mas descobri que as amizades são valiosas, por isso perdi o emprego (os outros também pensam assim).
Fiquei de cara que oito anos passam rápidos demais.
Revi os amigos e fui revisto.
Subi no altar, mesmo sabendo que chamávamos de palco.
Foi um palco. O nosso!
Quitei dividas e criei outras.
Fiz intervenções.
...e estou fugindo de quem me intervêm, ou não!

9 comentários:

Francieri disse...

Ai eu me arrepiei...
Voltasse com tudo e com capacidade de fazer suscintos os sentimentos, sem torná-los menores por isso.
Te amo, e amo mais ainda saber o que significou todo esse começo, e por incrível que pareça 5 anos são uma piscadela.
:***

Maite! disse...

Fica aqui minha revolta com essa preocupação quanto a se juntar ao formspring e ao twitter, desde quando se juntas a massa é ruim? Ainda estamos discutindo o processo de individualização?

qualquer menina disse...

bai.. comentário antes de eu começar a ler: meus Deus! quanta coisa neste blog eu tenho pra ler!
volta já já ;)

qualquer menina disse...

agora já li..
espero que este seja um 'resumo' de todo 2009 e não só do mês de janeiro senão vou achar minha vida tediosa.
hahaha

beijo.

heloisa disse...

vaitomanocuuuuuu
por essas e várias outras que eu te amo e admiro cada dia mais.
Beijo grande

Eduarda disse...

Lendo esse texto maravilhoso e até mesmo enigmático pensei: Linguagem. Teu dom com as palavras ditas, escritas, gestuosas, silenciosas, corporais,metaforicas, literais, expontaneas, estratégicas... enfim, todas as formas de linguagem possíveis, me surpreendem cada dia mais! Amigos, amigos mas a o tamanho da minha admiraçao por ti precisa ser a parte...ou não!

Deison Frederico disse...

Vininho adorei o texto... esse texto revela o quanto vc mudou, e quanto todos nós estamos mudando, é uma nova fase e que requer habilidade!!!
abração querido amigo

ana paula disse...

Vininhu!
Se era pra chorar ou não, chorei!
Me peguei em várias partes, me senti elogiada, me vizualisei no momento da compra do livro desejado!
Tive razão, posso falar, E o que acontece eu vou contar. Quando eu fumo marijuana como eu fico: chapado..... Voltei até para algumas atmosferas! hahahaha

E tudo me fez pensar mais uma vez, o quanto viver é mto bom, mas viver com pessoas que conseguem expressar a alegria e a magia dos momentos da vida é MELHOR AINDA!

Te amo

ana paula disse...

E quanto ao Twiter... saiba que minha ideologia não foi quebrada não! O Twiter É como aquela roupa que nunca uso, mas gosto de guardar pra usar como pijama, ou sei lá, vai que um dia dá pra combinar com alguma peça. Conclusão, fica no armário e só sai de lá se alguém tomar a iniciativa de retirá-la, desde que esse alguém não seja eu!